“Depois que emagreci meu ânimo é outro, inclusive o meu metabolismo mudou completamente”, conta participante do Envelhecimento Saudável

A vida de Miguel Teodoro da Purificação, participante do programa Envelhecimento Saudável da Healthways, pode ser dividida em dois momentos: antes e depois de 2013. Antes, com 120 kg concentrados em 1,67m, o aposentado enfrentava doenças crônicas, como diabetes, hipertensão e artrose, e já havia colocado dois stents, pequena prótese que evita a obstrução dos vasos sanguíneos. “Eu não podia fazer exercícios, por que a artrose causada pelo sobrepeso atacava o meu joelho”, conta.

Devido aos stents, Miguel fazia acompanhamento regular com o cardiologista, que sugeria, há certo tempo, uma cirurgia bariátrica, também conhecida como cirurgia de redução do estômago. Por receio de se submeter a um procedimento com essa importância, optou por não fazer a cirurgia. Mas sete anos depois, em 2013, Miguel criou coragem. “Demorei todo esse tempo por medo. Minha mulher e eu ficávamos apreensivos com as complicações que a cirurgia poderia gerar. Mas pensei que se tivesse que acontecer alguma coisa, seria com ou sem cirurgia e superei isso”, relembra o aposentado.

E deu tudo certo. Na verdade, mais do que certo. Miguel viu sua rotina transformada. Após a operação, ele emagreceu 36 kg. O empecilho que tinha para fazer exercícios físicos, a antiga dor no joelho, sumiu. E consequentemente, pôde dar adeus aos riscos de saúde que corria. A recomendação médica era andar 40 minutos na esteira todos os dias, o que Miguel conseguiu iniciar com facilidade, devido à sua motivação e à melhora de sua artrose. Desde então, ele alterna entre a esteira e a bicicleta todos os dias na academia de seu prédio.

“Sempre tive vontade de fazer exercícios, mas não conseguia por causa do excesso de peso e da dor que sentia no joelho. Inclusive, eu cheguei até a fazer uma infiltração [injeção com medicamentos corticoides ou anestésicos para aliviar a dor nas articulações]”, explica Miguel.

Além da prática de atividades físicas, o aposentado também recebeu recomendações relacionadas à alimentação. Ele precisaria comer bastante carne vermelha para ingerir grandes quantidades de ferro e evitar a anemia. São 150g no almoço e 150g no jantar, que podem ser complementadas com duas colheres de arroz e uma de feijão. Outro cuidado que precisa ter é com a mastigação, que deve ser bem feita para que a digestão ocorra sem problemas. Se comer muito rápido, sem mastigar, o alimento fica preso no esôfago.

O resultado da maior qualidade de vida refletiu na saúde de Miguel. A diabetes e a hipertensão foram controladas e os exames médicos apontam que está tudo dentro da normalidade. E todo o conjunto favoreceu na disposição do aposentado para outras atividades do dia a dia. “Eu percebi muita diferença na minha disposição como um todo. Antigamente, eu não conseguia fazer nada, cansava muito rápido. Depois que emagreci meu ânimo é outro, inclusive o meu metabolismo mudou completamente”, orgulha-se.

E participar do programa Envelhecimento Saudável foi mais um complemento para a rotina saudável de Miguel. Com o acompanhamento regular dos consultores de saúde da Healthways, o participante consegue receber dicas em relação às atividades que pratica e à alimentação. Além disso, ele sente uma confiança muito grande em saber que o programa disponibiliza assistência, ambulância e todo um suporte de atendimento em casos de emergências. “Acho maravilhoso, mas fico feliz que ainda não precisei usar tudo isso”, brinca o aposentado.

Há poucos meses, Miguel inseriu mais uma atividade física à sua rotina: a musculação. Em junho, ele e a esposa viajaram com um amigo que os incentivou a praticar musculação três vezes por semana. O aposentado gostou tanto que continuou a se exercitar mesmo após voltar para São Paulo. “Eu costumo levantar cedo. Por volta das 7 horas, desço para a sala de ginástica do prédio e faço esteira ou bicicleta. E de segunda, quarta e sexta pratico musculação depois da aeróbica”, conta.

Hoje, com 71 anos, Miguel reconhece que poderia ter feito a cirurgia antes. “Eu costumava fazer uns regimes mirabolantes. Emagrecia uns 4 kg, mas depois engordava tudo de novo. Ficava naquele efeito sanfona. Agora, tenho que compensar pelo tempo perdido”, reflete. Mas o aposentado não perde o otimismo e orgulha-se: nunca é tarde.