A pressão no trabalho, a relação com a vida pessoal e social, os problemas da sociedade, a dinâmica da rotina atual têm dado abertura para um surpreendente crescimento de doenças mentais. Como um círculo vicioso, a falta de saúde mental impede que as pessoas atinjam seu potencial total, interfere na produtividade e afeta o ambiente como um todo, uma vez que as pessoas ao redor também são impactadas por essa condição.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), uma em cada quatro pessoas está propensa a sofrer um problema de saúde mental em algum momento de sua vida. Além disso, estima-se que mais de 300 milhões de pessoas sofram de depressão, equivalente a 4,4% da população mundial. Esse número aumentou em mais de 18% em 10 anos, entre 2005 e 2015. O órgão ainda relata que 800 mil pessoas tiram suas próprias vidas todo ano.

O estigma que cerca o tema de saúde mental é um grande empecilho para que as pessoas reconheçam suas condições, falem com amigos e família e busquem tratamento. Muitos ainda relacionam transtornos mentais com vergonha ou incapacitação pessoal quando é uma doença como qualquer outra e, ainda pior, pois é silenciosa e com graves consequências se ignorada. O importante é que os tratamentos de ansiedade, depressão e outras condições de saúde mental sejam cada vez mais discutidos, com o intuito de promover o bem-estar e resgatar a qualidade de vida.

Além das implicações na saúde e na sociedade, os transtornos mentais apresentam também consequências para a economia do país. Um estudo do Fórum Econômico Mundial e da Escola de Saúde Pública de Harvard estimou que o impacto global das doenças mentais em relação à perda de produção econômica será de US$ 16,3 trilhões entre 2011 e 2030. Na Índia, os reflexos dos transtornos mentais custarão US$ 1,03 trilhão entre 2012 e 2030. No mesmo período, estima-se que a China perca US$ 4,5 trilhões em doenças mentais.

 

O reflexo no ambiente de trabalho

Como todos os aspectos da vida estão interligados, a saúde mental tem um resultado direto no desempenho de cada um, como a diminuição da produtividade no trabalho, diminuição da participação, aumento de acidentes de trabalho. Seis em cada dez pessoas dizem que a má saúde mental afeta sua concentração no trabalho. No Reino Unido, as estimativas indicam que cerca de 70 milhões de dias úteis são perdidos a cada ano devido aos transtornos mentais.

Você, líder, como pode contribuir para ajudar seus funcionários? Os empregadores podem se tornar agentes de mudança, amenizando os fatores de risco para o estresse. A transformação pode se iniciar pelo clima organizacional, estimulando o bem-estar e a criatividade, assim como as necessidades individuais de cada colaborador. Além disso, o apoio pode ser voltado diretamente ao tratamento do transtorno mental, facilitando o acesso para quem precisa.

Especialistas em saúde mental compilaram algumas ações-chave que podem ajudar a promover um ambiente de trabalho mentalmente mais saudável:

  1. Esteja atento ao ambiente de trabalho e como pode ser adaptado para promover uma melhor saúde mental para você, seus colegas e a empresa. Todo ambiente é único.
  2. Aprenda com as motivações dos líderes organizacionais e dos funcionários que tiveram iniciativa. Geralmente, não será uma única motivação, e sim vários fatores em conjunto, como valorizar a saúde mental, fazer “o melhor” para os funcionários, incentivar o engajamento e gerenciar custos e responsabilidades.
  3. Veja referências. É bem provável que outras empresas já tenham tomado medidas relacionadas à saúde mental e colocado as políticas em prática. Alguns cases são: Bank of England, Bell Canada, BHP Billiton, Grupo British Telecom, Kind & Wood & Mallesons, entre outros.
  4. Compreenda as oportunidades, as suas necessidades e as de seus colegas, ajudando a desenvolver melhores políticas para a saúde mental no local de trabalho. Toda empresa é diferente e irá demandar políticas específicas para melhor lidar com as necessidades de seus colaboradores. Portanto, é importante identificar quais são essas demandas e como implementar um programa de saúde mental.
  5. Descubra aonde ir se você ou um colega precisar de ajuda. Obter ajuda para um problema de saúde mental pode significar um desafio pessoal e emocional para algumas pessoas. O importante é não ter medo nem vergonha de pedir apoio ou de apoiar colegas que possam precisar.
  6. Comece. Segundo Dr. Brock Chisholm, primeiro diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, e um psiquiatra que defendia a noção de que as saúdes mental e física estavam intimamente ligadas: “sem saúde mental não pode haver saúde física verdadeira”.

Fonte: Fórum Econômico Mundial